Pesquise neste Blog

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O Tão negado Pico do Petróleo - O Pico do Petróleo Chega ao Conhecimento Público - Parte 1

O Tão negado Pico do Petróleo - O Pico do Petróleo Chega ao    Conhecimento Público                  Por:  John Michael Greer

Read also this post below English

(Todo cidadão antenado nos acontecimentos, de agora e do amanhã
deviam dar devida atenção á este texto)



Leitores habituais deste blog devem se lembrar de que, no inicio, um dos seus projetos principais era uma tentativa de descontruir a mais enraizada de todas as séries de mitos que a cultura industrial usa para definir o futuro. Citando Carlos Castaneda, o mito do progresso e o mito do apocalipse são adversários de peso; espero que enfrentá-los tenha sido tão educativo e, às vezes, tão divertido para meus leitores como o foi para mim. É um prazer dizer, entretanto, que a questionável opção entre um futuro de progresso infinito que leva a uma utopia tecnocrática e um futuro de súbito colapso catastrófico que leva a uma utopia romântica perdeu muito de seu peso no cenário do pico do petróleo. Isso não significa que esses mitos notáveis tenham desaparecido completamente. Não me lembro de quando foi a última semana que tenha se passado sem que houvesse pelo menos uma mensagem na minha caixa de entrada dizendo que estou totalmente errado e que a humanidade continuará seguindo para frente e para o alto até atingir seu grandioso destino, além de pelo menos mais uma outra dizendo que estou totalmente errado e que a civilização industrial vai explodir em mil pedaços em algum ponto vago mas iminente do futuro iminente. De qualquer forma, esse tipo de comentário não chega mais a ser, como antes, a maioria das respostas a cada postagem semanal feita aqui. Meu blog The Archdruid
Report (O Relatório do Arquidruida) foi, é claro, apenas uma das muitas vozes na discussão que trouxe à luz essa mudança, mas fico feliz em pensar que ele ajudou. Essa mudança tinha que acontecer, principalmente porque o movimento do pico do petróleo pode estar à beira de uma importante mudança, que muitos poucos de nós esperávamos. Por pouco mais de uma década, desde que os primeiros ativistas do pico do petróleo redescobriram as previsões de M. King Hubbert e perceberam que elas faziam muito mais sentido do que o fácil otimismo dos cornucopianos(*), as pessoas que se preocupam com o pico do petróleo vêm sonhando com um futuro no qual o resto do mundo finalmente acabasse por perceber que não se pode extrair uma quantidade
infinita de petróleo de um planeta finito e que os planejamentos sociais que dependem de suprimentos infinitos de petróleo barato podem ser bem menos inteligentes do que parecem ser. Muitos poucos de nós, entretanto, levaram realmente a possibilidade disso acontecer a sério, o que torna ainda mais
irônico o fato do pico do petróleo poder estar a ponto de se tornar público.
Considerando o contexto do movimento do pico do petróleo, fica fácil perceber sua dinâmica. Há quinze anos a ideia do pico do petróleo estava tão longe das previsões, que livros sérios sobre energia, publicados por editoras acadêmicas – um bom exemplo disso é Energy: A Guidebook (Energia: Um Manual), de Janet Ramage, publicado em 1997 pela Oxford University Press – já não lembravam que a produção de petróleo atingiria seu pico muito antes do último barril ser extraído do solo. Há dez anos, o movimento do pico do petróleo estava na mais extrema das periferias, e não passava de uma minúscula rede de geólogos e engenheiros especializados em petróleo, já aposentados, analisando números para fazer uma previsão de quando aconteceria o que a maioria dos especialistas alegava que nunca iria acontecer. Há cinco anos os primeiro livros realmente bons sobre o assunto - Hubbert’s Peak (O Pico de Hubbert) de Kenneth Deffeyes, The Party’s Over (A Festa Acabou) de Richard Heinberg, The Long Emergency (A Longa Emergência) de James Howard Kunstler, e uns poucos mais – foram publicados e alertas começaram a ser feitas por analistas que, até então, não havia se dignado a prestar atenção ao movimento do pico do petróleo.
A partir de mais ou menos um ano atrás, essa mudança da periferia para a corrente dominante de pensamento ganhou velocidade. O pico do petróleo se tornou concretamente presente na mídia financeira, onde um número crescente de analistas de mercado o encara como um fenômeno real e inevitável; equipes seletas de várias especialidades estão aconselhando vários governos a começar a
prestar atenção ao futuro do petróleo; os militares americanos colocaram o declínio das reservas energéticas em uma posição no alto da lista das ameaças iminentes à segurança dos EUA; e até mesmo ao mundo da haute culture (**), quase sempre último a notar até mesmo as grandes mudanças sociais,
foi oferecida uma enorme porção de informação sobre o pico do petróleo, cortesia do Dark Mountain Project. Só falta agora que os líderes políticos de uma nação industrializada comecem a falar sobre o pico do petróleo e, a julgar por algumas entrevistas coletivas recentes de Barack Obama sobre o vazamento de petróleo da BP, isso pode não estar longe de acontecer. O que então vai acontecer? É interessante notar que versões ligeiramente mais brandas dos dois mitos que citei acima têm um papel importante nas especulações sobre o impacto da divulgação do pico do petróleo para o público em geral. Algumas pessoas – não muitas, mas há algumas – ainda não perderam a esperança de que as pessoas que vivem nas sociedades industrializadas tomem fôlego, enfrentem o
desafio do pico do petróleo, e resgatem o projeto do progresso e a esperança de um brilhante futuro sem fim. Outras, muitas outras mais, estão certas de que um anúncio público de que a era do petróleo está no fim trará o pânico geral e o colapso da ordem pública, causando uma crise de revoltas, saques, e a prática de tiro ao alvo com balas de verdade. Não sei se estou certo, mas minha impressão é a de que nenhuma dessas alternativas é muito provável. O efeito, é claro, dependerá muito das circunstâncias, mas acho que a primeira reação será muito
semelhante à que aconteceu no choque do petróleo da década de 70, quando os Estados Unidos passaram por seu pico de Hubbert particular e a nação, acostumada à ilimitada energia barata, teve que enfrentar escassez e uma grande alta de preços. Quando aquilo aconteceu, alguns se esforçaram e trabalharam, enquanto outros entraram em pânico em maior ou menor grau, mas as multidões em tumulto criadas pela fantasia dos sobrevivencialistas(***) foram extremamente raras. Houve também quem achasse que a coisa toda era um complô comunista, liberal, conservador, ou fascista - acho que ninguém, com exceção dos Amish, escapou de levar a culpa pela crise energética da década de 70. Mas a quase maioria se limitou a dar de ombros ou a resmungar, de acordo com o temperamento de cada um, e seguir em frente como podia.
No meio dessas reações disparatadas muito trabalho construtivo foi realizado e pode-se dizer que, mesmo agora, a esfera da energia alternativa ainda não atingiu o nível que a vanguarda do movimento pela tecnologia apropriada já tinha atingido quando os cortes nos subsídios e o petróleo ultra barato
acabaram com o problema todo no começo da década de 80. Se tivermos uma confusão semelhante de reações disparatadas, uma outra fase de trabalho igualmente construtivo estará potencialmente ao alcance. É claro que também haverá uma outra rodada, maior e mais violenta, do debate entre os mitos
do progresso e do apocalipse acima mencionados e que também haverá muita agitação à medida que as pessoas avançarem pelos cinco estágios do pico do petróleo – que são, caso você não esteja sabendo, a negação, a raiva, a procura da ajuda divina, a depressão, e começar a se mexer e fazer alguma coisa.
Mesmo assim, infelizmente é também possível que talvez tenhamos algo bem mais destrutivo do que o que aconteceu na década de 70. Mesmo com todos os problemas daquela década, os recursos energéticos ainda eram ainda relativamente abundantes e as economias das nações industrializadas
estavam muito menos desequilibradas pela desorientação, pelas especulações financeiras e pela corrupção absoluta do que ficaram desde então. Os limites ao crescimento estavam próximos, mas ainda não tinham começado a se impor com tanta força e os pesquisadores do setor de energia podiam realmente traçar uma curva de transição que levaria as nações industrializadas à sustentabilidade sem
passar por um colossal trauma social e econômico. Essa possibilidade deixou de existir quando os líderes das maiores nações industrializadas, logo após
1980, adotaram uma política de curto prazo ao invés de um planejamento coerente. Nesse período, os recursos que poderiam ter alimentado a transição para a sustentabilidade foram queimados para alimentar uma última orgia de consumo intenso e as consequências vindas dessa extravagância final,
somadas a uma assombrosa má administração econômica e a uma boa quantidade de trapaças e fraudes, jogaram as nações industrializadas no que promete ser um longo e difícil período de crise econômica. Quando os mitos conhecidos falham e a vida fica difícil, as consequências quase sempre incluem uma forma de fuga coletiva para o mundo da fantasia, fenômeno bem conhecido pelos sociólogos e estudiosos da história. Pense no culto à carga, na dança dos fantasmas, nos americanos em um quintal do subúrbio de Chicago esperando para serem levados da Terra pelos extraterrestres, ou qualquer outro exemplo de que você possa se lembrar de pessoas reagindo a uma situação difícil através de um mergulho na fé, tentando atingir uma praia que não existe. Agora pense nisso de novo, lembrando-se desta vez que os fatores causadores do fenômeno podem muito bem incluir os símbolos, os slogans e as grandes esperanças que são mais importantes para você. Esse tipo de fenômeno é chamado de movimento de revitalização. Essa reação acontece quando uma sociedade sofre uma sequência de problemas que atingem diretamente o cerne de sua identidade e de seus valores. Nesses momentos, quando as instituições vigentes falham e os fundamentos dos valores coletivos sofrem uma ruptura, há uma intensa busca por alguma nova visão do destino que dê sentido às dificuldades e apresente uma saída que leve a um futuro melhor. Sendo a economia das crenças populares o que é, essa busca encontra um amplo suprimento muito rapidamente. Os movimentos de revitalização, tal como os carros novos, vêm com equipamentos de fábrica e uma série de opcionais que podem ser adicionados para satisfazer o gosto do comprador. Os equipamentos de fábrica incluem uma ampla crítica à ordem vigente, que visa demonstrar que a crise aconteceu porque o próprio grupo de pessoas que está sofrendo suas consequências, ou algum outro grupo que possa levar a culpa, se comportou mal e está sendo punido; uma visão de um futuro utópico que chegará assim que os problemas terminarem se a coisa certa for feita; e um plano de ação simples para fazer a transição entre os problemas e o futuro utópico. O problema é que o plano de ação não leva a nada, e é isso que distingue um movimento de revitalização de, por exemplo, um movimento normal de busca por mudanças sociais. Os movimentos de revitalização surgem quando todas as opções práticas para lidar com a crise são inviáveis ou inimagináveis.
Os equipamentos opcionais variam, desde os inofensivos até os assustadores. Um foco na purificação, por exemplo, é um opcional comum, mas purificação pode significar muitas coisas. Nos movimentos de revitalização dos nativos da América do Norte no século XX, por exemplo, isso geralmente significava a abstenção de álcool e outros tóxicos da cultura dos brancos, e teve grande influência no início de recuperação das comunidades indígenas depois das assustadoras experiências do século anterior. Nos movimentos de revitalização que surgiram na Europa após a peste negra, por outro lado, purificação geralmente significava livrar-se dos judeus e de outros estranhos, que eram
responsabilizados por espalhar a praga; esse fenômeno ajudou a lançar as fundações da mania da caça às bruxas dos séculos seguintes. Parece-me perigosamente possível que esses movimentos possam ser ativados pelo anúncio público da crise do pico do petróleo. Tendências como essa já estão bem consolidadas na cultura popular por todo o mundo industrializado. Os adeptos de Sarah Palin que adotaram “perfure, baby, perfure” como o mantra do momento estão ligados a uma fórmula mágica, é claro, mas o slogan é mais que apenas um
mantra; muitos dos que o repetem acreditam piamente que a única coisa que temos que fazer para ter todo o petróleo que queremos é perfurar mais poços e estão dispostos a fazer o que for necessário para que esses poços sejam perfurados. Esse plano de ação não leva a nada; eles poderiam juntar-se aos
cultos à carga e construir campos de pouso simulados em ilhas isoladas do Pacífico, esperando pela volta dos DC-3 cheios de ração militar e quinquilharias baratas que costumavam pousar em uma centena de arquipélagos durante a segunda guerra mundial. Entretanto, parece não ser fácil para eles
entenderem isso em curto prazo; meras explicações racionais não têm nenhuma força contra um movimento de revitalização emergente. A transformação de magia em movimento de revitalização está também acontecendo na outra ponta da escala política, embora ainda não faça parte da tradição deste segmento - o que é um lembrete de que, pelo menos nos Estados Unidos, há uma tendência atual para que as ideologias de esquerda sejam aceitas pela classe média ainda relativamente privilegiada, enquanto a classe trabalhadora, que favorece
as ideologias de direita, tem levado a pior há décadas. De toda forma, as tendências existem. Se você acompanhar as conversas na maioria dos fóruns do pico do petróleo razoavelmente ativos, provavelmente encontrará pessoas insistindo que todos nós, ou pelo menos uns poucos privilegiados, podemos fazer a transição para um futuro melhor se seguirmos um plano de ação que elas querem muito compartilhar conosco. Nessas conversas, as sementes dos movimentos de revitalização estão começando a querer germinar. Se essas sementes germinarem e florescerem, manter a cabeça fria quando seu envolvente perfume chegar até nós será um desafio maior do que, creio, a maioria dos meus leitores imagina. O que distingue os movimentos de revitalização das atividades mais ligadas à magia dos verdadeiros crentes no progresso ou no apocalipse é que movimentos de revitalização realmente levam as coisas a sério e
realmente fazem alguma coisa, além do fato de que, com alguma frequência, ao menos algumas das coisas que fazem valem a pena. A esperança é uma droga embriagadora; a esperança misturada à oportunidade para ações aparentemente construtivas tem um efeito ainda mais forte; adicione a sedução emocional de fazer parte de um grupo, da promessa de apoio e encorajamento mútuos, e a excitação que vem com o abandono das preocupações comuns para se engajar na busca obsessiva de um ideal compartilhado e teremos uma droga altamente viciante, à qual é difícil resistir e ainda mais difícil abandonar. Eis porque os movimentos de revitalização arrebanham multidões com tanta frequência e
seguem sua lógica particular até as últimas consequências, por mais catastróficas que sejam. No caso em questão, as consequências poderiam ser realmente catastróficas. Creio que a maioria daspessoas sabe, em teoria, que as boas intenções levam ao inferno, mas os movimentos de revitalização que saem dos trilhos têm o mau costume de colocar essa teoria em prática. Na próxima semana analisarei essas possibilidades negativas com mais detalhes e, ao fazê-lo, demonstrarei como o pensamento mágico que permeia os movimentos de revitalização pode ser usado de maneira mais construtiva. No momento, entretanto, quero dar a você o antídoto contra pensamento mágico que mencionei naconclusão do artigo da semana passada. Tal como as fórmulas mágicas das histórias de fadas, esseantídoto tem um tabu que limita o que pode ser feito com ele: você pode usá-lo para se proteger da magia, se você pensar sobre ele até entendê-lo, e você também pode passá-lo a outra pessoa que esteja
pronta para recebê-lo e entendê-lo, mas se você o passar para uma pessoa que não esteja disposta a aceitá-lo, ele provocará exatamente a fuga para o mundo de magia e de fantasia que ele deveria evitar.  Aqui está ele: Não existe um futuro melhor à nossa frente. Mantenha isso em segredo; mantenha isso em segurança. Conversaremos mais na próxima semana.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ Notas de Tradução ~~~~~~~~~~~~~~~~~
(*) Milênio: referência ao milenarismo, crença em uma grande tragédia e uma grande mudança que virão após um ciclo de mil anos.

(**) Cornucopianos: aqueles que acreditam no paradigma da cornucópia, conceito criado por Willian R. Catton em seu livro “Overshoot” que define uma forma de ver o progresso humano sem levar em consideração o conceito de capacidade de carga e os limites do mundo, nem as diferenças entre conquista e drenagem de recursos, aceitando passivamente o mito da inexistência de limites.

(***) Haute Culture: termo, inspirado na expressão francesa haute couture (alta costura) usado para definir qualquer coisa do mundo cultural que seja para uma elite exclusiva.

(****) Sobrevivencialistas: pessoas que se preparam para possíveis catástrofes futuras estocando água e alimentos, fazendo treinamento de primeiros socorros, de autodefesa e autossuficiência.

Postado por: ByLorenzo

Part One: Peak Oil Goes Mainstream




By John Michael Greer


Longtime readers of this blog will recall that one of its central projects early on was an attempt to deconstruct the most deeply entrenched set of myths industrial culture uses to define the future. To borrow a phrase from Carlos Castaneda, the myth of progress and the myth of apocalypse were worthy opponents, and I hope the confrontation with them was as educational, and occasionally entertaining, to
my readers as it was to me. I’m pleased to say, though, that the dubious choice between a future of endless progress toward some technocratic Utopia and a future of sudden cataclysmic collapse into some romantic Utopia has lost much of its grip on the peak oil scene. That’s not to say these particular narratives have gone away completely. I don’t recall the last time a week passed without at least one message in my inbox claiming that I’m all wrong and humanity will keep on marching onward and upward to a destiny among the stars, and at least one more claiming that I’m all wrong and industrial civilization will blow itself to smithereens at some vague but imminent point in the very near future. Still, such comments no longer make up most of the responses to each week’s post here, as they once did. The Archdruid Report was only one of many voices in the
conversation that midwifed that change, of course, but I like to think that it helped. That shift needed to happen, not least because today’s peak oil movement may be standing on the brink of a momentous shift very few of us are expecting. For just over a decade now, since the first peak oil activists blew the dust off M. King Hubbert’s predictions and realized that they made a great deal more
sense than the easy optimism of the cornucopians, people concerned about peak oil have daydreamed of a future when the rest of the world would finally get around to noticing that you can’t extract an infinite amount of oil from a finite planet, and that technological, economic, and social arrangements predicated on endless supplies of cheap oil might be a good deal less clever than they looked. Very few of us, though, have really taken that possibility seriously, which makes it all the more ironic that peak oil may be on the brink of going mainstream in a big way. Place the peak oil movement in its context and the dynamic is hard to miss. Fifteen years ago the ideaof peak oil was so far off the radar screens that serious books on energy published by academic publishers – Janet Ramage’s Energy: A Guidebook (Oxford University Press, 1997) is a good example – no longer remembered that oil production would crest long before the last barrel was pumped out of the ground. Ten years ago the peak oil movement was the outermost fringe of the fringe, a tiny network of retired petroleum geologists and engineers crunching numbers to predict the timing of an event most experts claimed would never happen. Five years ago the first really good books on the subject – Kenneth Deffeyes’ Hubbert’s Peak, Richard Heinberg’s The Party’s Over, James Howard Kunstler’s The Long Emergency, and a few others – were in print, and denunciations were beginning to issue forth from pundits who, until that time, had considered the peak oil movement to be beneath their notice.
Over the last year or so, the journey from fringe to mainstream has shifted into high gear. Peak oil has become a known quantity in the financial media, with a growing number of market pundits treating it as a real and inevitable phenomenon; blue-ribbon panels of various kinds are advising various
governments that they really had better start paying attention to the future of petroleum; the US military has given dwindling energy supplies a place high up on the list of imminent threats to America’s security; even the world of haute culture, so often last in line to notice even the biggest changes sweeping through society, has been served up with a jumbo helping of peak oil courtesy of the Dark
Mountain Project. All that remains is for the political leaders of an industrial nation to start talking about peak oil, and to judge from some of Barack Obama’s recent press conferences about the BP oil spill, that day may not be too far away.
What will happen then? It’s interesting to note that slightly muted versions of the two mythic narratives I discussed earlier in this post play a large role in speculations about the impact of peak oil going public. Some people – not many of them, but there are some – still cling to the hope that the people of
the world’s industrial societies will take a deep breath, face up to the challenge of peak oil, and rescue the project of progress and the hope of brighter futures ad infinitum. Others, rather more of them, are convinced that a public announcement that the age of oil is ending will result in mass panic and the
collapse of public order in an orgy of rioting, looting, and target practice with live ammo. My guess, for what it’s worth, is that neither of these is particularly likely. A great deal depends on the circumstances, to be sure, but I suspect the first reaction will have a good deal in common with the oil shock of the 1970s, when the United States passed its own Hubbert peak and a nation used to limitless cheap energy had to face shortages and soaring prices. When that happened, some people buckled down and got to work; others panicked to one degree or another, though the rioting mobs of survivalist fantasy were in notably short supply; still others dismissed the entire thing as a Communist, liberal,
conservative, or Fascist plot – I don’t think anybody but the Amish missed being blamed for the energy crises of the 1970s – and something close to a majority just shrugged or grumbled, according to temperament, and muddled through.
In the midst of these disparate reactions, a great deal of constructive work got done, and it’s arguable that even now the alternative energy scene hasn’t caught up to the point that the leading edge of the appropriate technology movement had reached when funding cuts and ultracheap oil brought the boom down on the whole thing in the early 1980s. If we get a similar muddle of disparate reactions, another round of equally constructive work is potentially within reach. Of course there will probably also be another round, on a larger and louder scale, of the debate between the myths of progress and apocalypse mentioned earlier in this post, and there will doubtless be plenty of flailing as people work
their way through the five stages of peak oil – those are denial, anger, bargaining, depression, and getting off your rump and doing something, in case you didn’t know. Still, it’s also uncomfortably possible that we could also get something a good deal more destructivethan what emerged out of the Seventies. For all the troubles of that decade, energy resources were still relatively plentiful and the economies of the industrial nations were far less topheavy with financial
hallucinations, profiteering, and outright graft than they have since become. The limits to growth were in sight, but they had not yet begun to clamp down hard, and energy researchers could reasonably trace a curve of transition that could get the world’s industrial nations to sustainability without massive
social and economic trauma.
That possibility was foreclosed when the leaders of the major industrial nations embraced short term politics instead of meaningful planning in the years right after 1980. At this point, the resources that might have powered a transition to sustainability have been burnt to fuel one last orgy of conspicuous
consumption, and the consequences of that final spree, combined with epic economic mismanagement and a good solid helping of chicanery and outright fraud, have tipped the industrial nations of the world over into what promises to be a long and difficult period of economic malfunction. When familiar myths fail and life gets difficult, in turn, the results rather too often include a form of
collective flight into fantasy well known to sociologists and students of history. Think of cargo cults, Ghost Dancers, Americans waiting in a suburban Chicago backyard to be taken off the planet by the Space Brothers, and every other example you recall of people responding to a difficult situation by a leap of faith to a farther shore that didn’t happen to be there. Now think about it again, remembering that this time the motivating factors may well include the symbols and slogans and passionate hopes that matter most to you.
The standard jargon for phenomena of this kind is revitalization movements. They happen when a society is hit by repeated troubles that cut straight to the core of its identity and values. In such times, when existing institutions fail and the collective foundations of meaning crack, there’s a large demand for some new vision of destiny that will make sense of the troubles and offer a way past them to some brighter future. The economics of popular belief being what they are, that demand very quickly finds an ample supply. Revitalization movements, like new cars, come with standard features and a range of optional gewgaws that can be added on to suit the tastes of the buyer. The standard features include a thorough critique of the existing order of society, which is meant to show that the troubles have occurred because either the people who have suffered from them, or some other group that’s to blame for them, have misbehaved and are being punished; a vision of a Utopian future that will arrive right after the troubles if the right things are done; and a straightforward plan of action to make the transition from the troubles to the Utopian future. The problem is that the plan of action can’t actually deliver the goods; that’s what defines something as a revitalization movement rather than, say, an ordinary movement seeking social change. Revitalization movements emerge when all the practical options for dealing with a crisis are either unworkable or unthinkable. The optional features range all over the map from the harmless to the horrific. A focus on purification,
for example, is one common optional feature, but purification can mean a great many things. In the Native American revitalization movements of the twentieth century, for example, it usually meant abstaining from alcohol and other toxic products of white culture, and did a great deal to help First Nations communities begin to recover from the ghastly experiences of the previous century. In the European revitalization movements that sprang up in the wake of the Black Death, by contrast, it usually meant getting rid of Jews and other social outsiders who were blamed for spreading the plague, and helped lay the foundation for the witch hunting mania of the following centuries. It seems uncomfortably likely to me that such movements could be set in motion by the emergence of peak oil as a publicly acknowledged crisis. Tendencies in that direction are already welded firmly in place in popular culture across the industrial world. The Sarah Palin supporters who turned “Drill, baby, drill” into their mantra du jour are engaging in incantation, to be sure, but there’s more to the slogan than a comfortable thoughtstopper; a great many of the people who mouth it believe with all
their heart that all we have to do is drill enough wells and we can have all the petroleum we want, and they are willing to do whatever it takes to get those wells drilled. That plan of action can’t deliver the goods; they might as well be out there with the cargo cults, building mock airfields on isolated Pacific
islands hoping to bring back the DC-3s full of K-rations and cheap trade goods that landed on a hundred archipelagoes during the Second World War. Still, that’s not something they are likely to grasp any time soon; mere reason has essentially no power against a nascent revitalization movement. The shift from incantation to revitalization movement is under way on the other side of the political
spectrum as well, though it hasn’t generally gotten as much traction yet – a reminder that in America, at least, the ideologies of the left these days tend to be favored by the still relatively privileged middle classes, while the working classes that favor ideologies of the right have gotten the short end of the stick for decades. Still, the tendencies are there. Watch the conversations on most reasonably active peak oil forums, and you’re very likely to see people insisting that all of us, or at least a chosen few, can make the transition to a brighter future if only we follow some plan of action they are eager toshare. In those conversations, the seeds of the revitalization movements to come are putting out their first tentative shoots. If those seeds sprout and blossom, keeping a clear mind amid their heady perfume will be a more challenging task than I suspect most of my readers realize. What sets revitalization movements apart
from the more incantatory activities of the true believers in progress or apocalypse is that revitalization movements actually buckle down and do something, and tolerably often, at least some of the things they do are worth doing. Hope is an intoxicating drug; hope blended with opportunities for apparently constructive action is an even stronger one; add the emotional lure of belonging, the promise of mutual support and encouragement, and the rush that comes from dropping ordinary concerns for the single- minded pursuit of a shared ideal, and you’ve got an addictive high that’s hard to resist and harder to
quit. That’s why revitalization movements so often gather large crowds, and proceed to follow out the consequences of their internal logic to its furthest extreme, no matter how catastrophic the consequences might be. In the present case, they could be catastrophic indeed. I think most people know in theory about the destination of the road paved with good intentions, but revitalization movements that go awry have a bad habit of putting that theory into practice. Next week, I’ll explore those uncomfortable possibilities in more detail, and in the process, show how the magical thinking that underlies revitalization movements could be put to use in much more constructive ways. For the moment, though, I want to pass on the counterspell against incantatory thinking that I mentioned at the conclusion of last week’s post. Like the magic spells in fairy tales, it comes with a taboo that limits what you can do with it. The taboo is this: you can use it to guard yourself from incantations, if you think about it and understand it, and you can pass it on to someone else who’s ready to receive and understand it. If you give it to someone who’s not willing to accept it, though, it will cause exactly the flight into incantation and fantasy it’s meant to prevent. Here it is: There is no brighter future ahead. Keep it secret; keep it safe. We’ll talk more next week.

Posted by: ByLorenzo

Nenhum comentário: