Pesquise neste Blog

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Foram realmente exterminados 6 Milhões de Judeus?

Hello! amigos agradeço desde já a visita de todos, assim como a mídia emburrecedora cauteriza aqueles de mente desavisada e desatenta, eu aqui indo na contra mão da falsa-midia procuro e tento inserir dentro do contexto assunto alheios, á maioria dos cidadões do mundo e assim como essa midia é feita de mentiras e enganos, cabe á todos irem na contra-mão desfazendo esses enganos propósitais e mentirosos da Midia, e a assim obtendo resultados claros e óbvios quero deixar CLARO Que este BLOG NÃO DIVULGA OU DISCUTE FEITOS E PROJETOS(FICTICIOS) OU SENSACIONALIZA ASSUNTOS ENTORNO DA NASA, FBI, BUILDERBERGS, ILLUMINATIS, OVNIS,
FIM DO MUNDO, ACONTECIMENTOS CATASTRÓFICOS QUE ESTIMAM MILHÕES DE ANOS Á FRENTE, PROFECIAS SEM BASE SÓLIDAS, EXCESSO DE ALTRUÍSMO, EGOTISMO, ALEX JONES, JESSE VENTURA, ONDA GAY Etc. Ao invés disso deveriámos nos enojar das desculpas dos japoneses, assumindo publicamente crimes cometidos por seus governos, culpa por milhares de estupros á mulheres inocentes cometidos por seus soldados, os cidadões Japoneses deviam levantar á cabeça e ao mesmo tempo se envergonharem de fazerem disso um dia das "desculpas" deveriam era tomar para si á vergonha na suas faces hipócritas ao assumirem tal postura ridícula, How...How Japoneses á máscara caiu a onde está a dignidade e os ensinamentos e sabedoria Orientais? foi pro ralo?. bem amigos desculpa a sinceridadde pessoal ( eu disse pessoal) Mais em breve também falarei da amada Russia e seu "lodo" pegajoso dos seus crimes assombrosos, Por Ex: O Massacre da Floresta KATYN Sim o massacre de soldados Poloneses, a mandos do carniceiro Josef Stalin Bem-vindo ao teatro moderno dos horrores com estréia de peças reais do passado, com a participação de grandes estrelas do elenco - Josef Stalin, Pol Pot, Lenin, Mao Tsé-Tung com seu Top invejavél e frieza em numeros de mortes superou até Stalin, bem deixaremos para próxima esse grande show descrito em letras, visto que nosso anjo negro da morte se modernizou, já não se diverte como antigamente, ele se divertiu como nunca até foi pirata só não deixou claro que é cego do olho direito, e por motivo desconhecido á nós amputaram-lhe a perna direita, e por apontar sempre com a mão direita o caminho pra perdição por consequência também lhe deceparam a mão direita, Este se chama Satanás o nosso irmão perdido criador da sociedade "Caolha" ele mente ao dizer que é amputado da perna esquerda, ele o é terrivél pirata dos sete mares, Um mar chamado Humanidade mata e rouba saqueia e engana lascivamente, e sem uma razão aparente está desfazendo seu "Clubinho" "Kaolho" e suas Incorporadoras a serviço do Clube Kaolho também estão indo para brejo desacreditadas invetam expedição que não existem são elas - NASA, FBI, DISNEY, SUAS REDES DE MÍDIAS ALIENADAS VÃO DE MAL Á PIOR, O LEÃOZINHO DE JUDÁ(ISRAEL)VAI PERDER Á JUBA AS HIENAS JÁ ESTÃO ENVOLTA, Á ÁGUIA DO NORTE ESTÁ MÍOPE MAL CONSEGUE MANTER FIRMES NA SUA GARRA DIREITA 13 FLEXAS, E O GALHO DE ERVA NA GARRA ESQUERDA QUE AFRONTA O PAI CRIADOR EM SUAS NARINAS JÁ SECOU HÁ MUITO TEMPO MAIS NÃO DEIXARÁ DE SER UM VELHO DESÁFIO PARA UM DUELO FINAL ASSIM FOI DITO, E ASSIM O SERÁ Portanto meu caro leitor mantenha sua mente "Clean" e "Sã" Não preocupe tudo á seu tempo. E para canalizar melhor o conhecimento do passado gostaria de lhe pedir gentilmente que leia o(os) post(s) á seguir, descubra os contrastes do Holoconto Judaico e como tudo começou. Obrigado(Thanks)

Foram realmente exterminados 6 Milhões de Judeus?

A POLÍTICA ALEMÃ EM RELAÇÃO AOS JUDEUS ANTES DA GUERRA


Certa ou erroneamente, a Alemanha de Adolf Hitler considerava os judeus como elementos desleais e avarentos dentro da comunidade nacional, bem como uma força de decadência na vida cultural da Alemanha. Isto era considerado particularmente insalubre desde que, durante o período de Weimar, os judeus haviam ascendido a uma posição de notável força e influência na nação, particularmente nas Leis, Finanças e Mídia de Massa, apesar de constituírem apenas 5 por cento da população. O fato de que Karl Marx era judeu e que judeus como Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht eram desproporcionalmente proeminentes dentro da liderança dos movimentos revolucionários na Alemanha, também tendeu a convencer os nazistas das poderosas tendências internacionalistas e comunistas do povo judeu em si mesmo.
Não é parte da discussão aqui argumentar se a atitude alemã em relação aos judeus era certa ou não, ou julgar se as medidas legislativas contra eles eram justas ou injustas. Nossa preocupação é simplesmente com o fato de que, acreditando isto dos judeus, a solução dos nazistas ao problema era privá-los de sua influência na nação por meio de vários atos legislativos, e, mais importante de tudo, encorajar sua imigração para fora do país. Por 1939, a grande maioria dos judeus alemães tinham emigrado, todos eles com uma proporção considerável de seus bens. Nunca, em tempo algum, tinha a liderança nazista contemplado uma política de genocídio contra eles.
 
 


 

JUDEUS CHAMARAM IMIGRAÇÃO DE "EXTERMINAÇÃO"

É muito significante, entretanto, que certos judeus foram velozes em interpretar estas políticas de discriminação interna como equivalente a exterminação em si mesmas. Um livro de propaganda anti-alemã de 1936 feito por Leon Feuchtwanger e outros intitulado Die gelbe Fleck: Die Ausrottung von 500,000 deutschen Juden (O Ponto Amarelo: A Exterminação de 500.000 Judeus Alemães, Paris 1936), nos dá um exemplo típico. Apesar de sua falta de bases de fato, a aniquilação dos judeus é discutida desde as primeiras páginas - emigração para fora sendo considerada como "extermínio físico" dos judeus alemães. Os campos de concentração nazistas para prisioneiros políticos também são vistos como instrumentos potenciais de genocídio, e referência especial é feita aos 100 judeus ainda presos em Dachau em 1936, dos quais 60 estavam lá desde 1933. Um exemplo mais a fundo era o sensacional livro do comunista judeu-alemão Hans Beimler, chamado Four Weeks in the Hands of Hitlerís Hell-Hounds: The Nazi Murder Camp of Dachau, que foi publicado em Nova York tão cedo quanto 1933. Preso por suas filiações marxistas, ele alegou que Dachau era um campo de extermínio, apesar de ele mesmo admitir que fora solto depois de apenas um mês lá. O regime atual na Alemanha Oriental dá agora um Prêmio Hans Beimler por serviços prestados ao Comunismo.
O fato de que propaganda anti-nazista de genocídio estava sendo disseminada em uma data tão recuada, por pessoas "suspeitas" por causa de sua raça ou idéia política, deveria sugerir extremo cuidado para um observador independente quando se aproximarem histórias similares do período da guerra.
O encorajamento da emigração judaica não deve ser confundido com o propósito dos campos de concentração na Alemanha pré-guerra. Estes eram usados para a detenção de oponentes políticos e subversivos - principalmente liberais, social-democratas e comunistas de todos os tipos, dos quais uma proporção era judia como Hans Beimler. Diferentemente dos milhões escravizados na União Soviética, a população dos campos de concentração alemães era sempre pequena; Reitlinger admite que entre 1934 e 1938 raramente excedeu 20.000 por toda a Alemanha, e que o número de judeus não passou de 3.000. (The S.S.: Alibi of a Nation, Londres, 1956. p.253).
 
 
 

A POLÍTICA SIONISTA ESTUDADA

A visão nazista da emigração judaica não estava limitada a uma política negativa de simples expulsão, mas formulada de acordo com as linhas do sionismo moderno. O fundador do sionismo político no século XIX, Theodor Herzl, no seu livro The Jewish State (O Estado Judeu), originalmente concebeu Madagascar como um lar nacional para os judeus, e esta possibilidade foi estudada seriamente pelos nazistas. Foi uma parte da plataforma do partido antes de 1933 e era publicada pelo partido em forma de panfleto. Dizia que a reaparição de Israel como o Estado judeu seria muito menos aceitável desde que iria resultar numa guerra perpétua e numa dissidência no mundo árabe, o que depois realmente aconteceu. Os alemães não foram originais em propor a inigração judaica à Madagascar; o governo polaco já tinha considerado a idéia a respeito de sua própria população judaica, e em 1937 eles mandaram missão a Madagascar de Michael Lepecki, acompanhado por representantes judeus, para investigar os problemas envolvidos.
A primeira proposta nazista para solução Madagascar foi feita em associação com o Plano Schacht de 1938. Seguindo o conselho de Goering, Hitler aceitou mandar o presidente do Reichsbank, Hjalmar Schacht, para Londres para discutir com os representantes judaicos Lord Bearsted e Mr. Rublee de Nova York (cf. Reitlinger, The Final Solution, Londres, 1953, pg. 20). O plano era de que as riquezas dos judeus alemães seriam congeladas como garantia para um empréstimo internacional para financiar a emigração judaica à Palestina, e Schacht mandou um relatório destas negociações a Hitler em Berchtesgaden a 2 de janeiro de 1939. O plano, que falhou devido à recusa britânica de aceitar os termos financeiros, foi pela primeira vez planejado em 12 de novembro de 1938 em uma conferência presidida por Goering, que revelou que Hitler já estava considerando a emigração dos judeus para uma colônia em Madagascar (ibid., pg. 21). Mais tarde, em dezembro, M. Georges Bonnet, o secretário do Estrangeiro francês, contou a Ribbentrop de que o governo francês mesmo estava planejando a evacuação de 10.000 judeus para Madagascar.
Antes das propostas palestinas de Schacht de 1938, que eram essencialmente a ação retardada de discussões que começaram tão cedo quanto 1935, numerosas tentativas foram feitas para assegurar a emigração judaica para outras nações européias, e estes esforços culminaram na Conferência de Evian de julho de 1938. Entretanto, lá por 1939 a idéia da emigração judaica para Madagascar ganhou a primazia nos círculos alemães. É verdade que em Londres Helmuth Wohltat da Secretaria do Negócios Estrangeiros alemã discutiu uma limitada imigração judaica para a Rodésia e a Guiana britânica em abril de 1939; mas, em 24 de janeiro, quando Goering escreveu ao Ministro do Interior Frick ordenando a criação de um Escritório Central de Emigração para os Judeus, e designou Heydrich do Escritório Central da Segurança do Reich (Reich Security Head Office) para resolver o problema judaico "pelos meios de emigração e evacuação", o plano Madagascar estava sendo estudado a sério.
Em 1939, os consistentes esforços do Governo Alemão para assegurar a saída dos judeus do Reich tinha resultado na emigração de 400.000 judeus alemães de uma população total de mais ou menos 600.000, e um adicional de 480.000 emigrantes da Áustria e da Tchecoslováquia, que constituiam quase que a totalidade de sua população judaica. Isto havia sido conseguido pelos Escritórios de Emigração Judaica em Berlim, Viena e Praga estabelecidos por Adolf Eichmann, chefe do Escritório de Investigação Judaica (Jewish Investigation Office) da Gestapo. Tão ávidos estavam os alemães de assegurar esta emigração que Eichmann até estabeleceu um centro de treinamento na Áustria, onde jovens judeus podiam aprender agricultura em antecipação a serem "contrabandeados" ilegalmente à Palestina (Manvell & Frankl, S.S. and Gestapo, p. 60). Se Hitler tivesse pensado qualquer intenção de matar os judeus, é inconcebível que ele teria permitido a mais de 800.000 deixar o território do Reich com grande parte de sua riqueza, muito menos considerado planos para emigração em massa para a Palestina e Madagascar. E mais, nós veremos que a política de emigração da Europa estava ainda em consideração durante o período da guerra, notadamente o Plano Madagascar, que Eichmann discutiu em 1940 com os experts do Escritório Colonial Francês depois que a derrota da França tornou a entrega da colônia uma proposição prática.



 

A POLÍTICA ALEMÃ EM RELAÇÃO AOS JUDEUS APÓS O COMEÇO DA GUERRA

Com a chegada da guerra, a situação em relação aos judeus mudou drasticamente. Não é muito conhecido que os judeus do mundo se declararam uma força beligerante na Segunda Guerra Mundial, e que portanto havia ampla base na lei internacional para os alemães internarem a população judaica como uma força hostil. A 5 de setembro de 1939, Chaim Weizmann, o principal líder sionista, declarou guerra contra a Alemanha em nome dos judeus do mundo, afirmando que "os judeus estão ao lado da Grã-Bretanha e irão lutar ao lado das democracias... A Agência Judaica (Jewish Agency) está pronta para entrar em imediatas preparações para a utilização do potencial humano judaico, abilidade técnica, recursos, etc..." (Jewish Chronicle, September 8, 1939).
 

DETENÇÃO DOS ESTRANGEIROS INIMIGOS

Todos os judeus haviam portanto sido declarados agentes desejando fazer a guerra contra o Reich alemão, e, como uma conseqüência, Himmler e Heydrich estavam prontos a começar a política de internamento. É válido lembrar que os Estados Unidos e o Canadá já tinham internado todos os estrangeiros japoneses e cidadãos de ascendência japonesa antes que os alemães aplicassem as mesmas medidas de segurança contra os judeus europeus. E mais: não tinha havido nenhuma prova ou declaração de deslealdade desses japoneses-americanos como a que havia sido dada por Weizmann. Os britânicos também, durante a Guerra dos Bôeres, internaram todas as mulheres e crianças da população, e milhares morreram em resultado, e de nenhuma maneira podem os britânicos ser acusados de quererem exterminar os bôeres.
O detenção dos judeus nos territórios ocupados da Europa serviram a dois propósitos essenciais do ponto de vista alemão. O primeiro era prevenir descontentamento e subversão; Himmler informou a Mussolini no dia 11 de outubro de 1942, que a política alemã em relação aos judeus havia mudado durante a guerra totalmente por razões de segurança militar. Ele reclamou dos milhares de judeus nas regiões ocupadas que estavam mantendo luta guerrilheira (partisan warfare), sabotagem e espionagem, uma visão confirmada pelo informação oficial soviética dada a Raymond Arthur Davis de que não menos que 35.000 judeus europeus estavam lutando na guerrilha sob o comando de Tito na Iugoslávia. Como resultado, os judeus deveriam ser transportados para áreas restritas e campos de detenção, ambos na Alemanha, e, especialmente depois de março de 1942, no Governo-Geral da Polônia.
Durante o prosseguimento da guerra, a política se desenvolveu no sentido de utilizar prisioneiros judeus como trabalho no esforço de guerra. A questão do trabalho é fundamental quando se considera o alegado plano de extermínio dos judeus, porque, no campo da lógica apenas isto iria ser o mais sem sentido desperdício de homens, tempo e energia enquanto mantendo uma guerra pela sobrevivência em dois fronts. Certamente depois do ataque à Rússia, a idéia do trabalho compulsório tomou precedência nos planos alemães para a emigração judaica. O protocolo de uma conversação entre Hitler e o regente húngaro Horthy em 17 de abril de 1943, revela que o líder alemão pessoalmente pediu a Horthy que liberasse 100.000 judeus húngaros para trabalhar no "programa de aviação de caça" (pursuit-plane programme) da Luftwaffe no tempo em que o bombardeio da Alemanha estava aumentando (Reitlinger, Die Endlösung, Berlim, 1956, p. 478). Isto tomou lugar quando, supostamente, os alemães já estavam procurando exterminar os judeus, mas o pedido de Hitler claramente demonstra sua prioridade de expandir sua força de trabalho.
Em harmonia com este programa, os campos de concentração se tornaram, de fato, complexos industriais. Em todo campo onde judeus e outras nacionalidades eram detidos, existiam grandes complexos industriais fornecendo material para o esforço de guerra alemão - a fábrica de borracha de Buna em Bergen-Belsen, por exemplo. Buna e I. G. Farben Industrie em Auschwitz e a firma elétrica Siemens em Ravensbrück. Em muitos casos, notas de dinheiro especiais para campos de concentração foram dadas como pagamento pelo trabalho, permitindo assim que os prisioneiros comprassem rações extras das lojas do campo. Os alemães estavam determinados a obter o maior retorno econômico possível do sistema de campos de concentração, um objetivo bem diferente de um plano para exterminar milhões de pessoas neles. Era a função do Escritório S.S. de Economia e Administração (S.S. Economy and Administration Office), liderado por Oswald Pohl, garantir que os campos de concentração se tornassem grandes produtores industriais.


 

EMIGRAÇÃO AINDA FAVORECIDA

É um fato notável, entretanto, que já no meio da guerra, naquele período, os alemães continuaram a implementar a política de emigração judia. A queda da França em 1940 permitiu que o governo alemão abrisse sérias negociações com os franceses para a transferência dos judeus europeus a Madagascar. O memorando de agosto de 1942 de Luther, secretário-de-Estado do Ministério do Exterior alemão, revela que ele conduziu negociações entre julho e dezembro de 1940, quando foram suspensas pelos franceses. Uma circular do departamento de Luther datada de 15 de agosto de 1940 mostra que os detalhes do plano alemão haviam sido feitos por Eichmann, pois é assinada pelo seu assistente, Dannecker. Eichmann havia de fato sido encarregado em agosto de esboçar um detalhado Plano Madagascar, e Dannecker foi mandado pesquisar sobre Madagascar no Escritório Colonial Francês (French Colonial Office) (Reitlinger, The Final Solution, p. 77). As propostas de 15 de agosto eram de que um banco inter-europeu financiaria a emigração de 4 milhões de judeus em um programa por fases. O memorando de Luther de 1942 mostra que Heydrich tinha obtido a aprovação de Himmler para o plano antes do fim de agosto e que também o tinha submetido a Goering. Certamente contou também com a aprovação de Hitler, pois tão cedo quanto 17 de junho seu intérprete, Schmidt, se lembra de Hitler dizendo a Mussolini que "É possível fundar um Estado de Israel em Madagascar" (Schmidt, Hitlerís Interpreter, London, 1951, p. 178).
Apesar dos franceses terminarem com as negociações de Madagascar em dezembro de 1940, Poliakov, chefe do Centro de Documentação Judaica de Paris , admite que os alemães entretanto mantiveram as expectativas, e que Eichmann ainda estava trabalhando com ele através de 1941. Eventualmente, entretanto, foi considerado impraticável pelo prosseguimento da guerra, em particular após a invasão da Rússia, e a 10 de fevereiro de 1942, o Ministério do Exterior foi informado de que o plano havia sido temporariamente abandonado. Esta ordem, mandada ao Ministério do Exterior pelo assistente de Luther, Rademacher, é de grande importância, porque demonstra sem sombra de dúvida que o termo "Solução Final" significava apenas a emigração dos judeus, e também que o transporte aos ghettos e campos de concentração como Auschwitz constituia nada além de um plano alternativo de evacuação. A diretiva conta: "A guerra com a União Soviética tem no meio tempo criado a possibilidade da utilização de outros territórios para a Solução Final. Em conseqüência, o Führer decidiu que os judeus não deverão ser evacuados para Madagascar e sim para o Leste. Madagascar portanto não é mais considerada em conexão com a Solução Final" (Reitlinger, ibid., p. 79). Os detalhes desta evacuação foram discutidos um mês antes na Conferência de Wannsee em Berlim, a qual examinaremos abaixo.
Reitlinger e Poliakov ambos fazem a suposição inteiramente infundada de que, se o Plano Madagascar havia falhado, os alemães estariam necessariamente pensando em "exterminação". Apenas um mês após, entretanto, a 7 de março de 1942, Goebbels escreveu um memorando em favor do Plano Madagascar como a "Solução Final" da questão judaica (Manvell & Frankl, Goebbels, London, 1960, p. 165). No meio tempo ele aprovou a "concentração a Leste dos judeus". Depois, os memorandos de Goebbels também falam da deportação ao Leste (i.e. o Governo Geral da Polônia) e colocam ênfase na necessidade de trabalho compulsório lá; uma vez que a política de evacuação a Leste havia sido inaugurada, o uso de trabalho judaico se tornou uma parte fundamental da operação. É perfeitamente claro do exposto acima que o termo "Solução Final" foi aplicado tanto a Madagascar quanto aos territórios do Leste, e que portanto significava apenas a evacuação dos judeus.
Tão tarde quanto maio de 1944, os alemães estavam preparados para permitir a emigração de 1 milhão de judeus da Europa. Uma descrição desta proposta nos é dada por Alexander Weissberg, o proeminente cientista judeu-soviético deportado durante os purgos de Stalin, no seu livro Die Geschichte von Joel Brand (Cologne, 1956). Weissberg, que passou a guerra em Cracóvia apesar de esperar que os alemães o internassem num campo de concentração, explica que com a autorização pessoal de Himmler, Eichmann mandou o líder judaico de Budapeste, Joel Brand, a Istambul, com uma oferta aos Aliados para permitir a transferência de um milhão de judeus europeus em meio à guerra. (Se acreditarmos nos escritores exterminacionistas, haviam escarçamente um milhão de judeus vivos em maio de 1944). A Gestapo admitiu que o transporte envolvido seria de grande inconveniência para o esforço de guerra alemão, mas estava preparada para permiti-lo em troca de 10.000 caminhões para serem usados exclusivamente no front russo. Infelizmente, o plano não deu em nada: os britânicos concluiram que Brand devia ser um perigoso agente nazista e imediatamente o prenderam no Cairo, enquanto a Imprensa noticiava a oferta como um truque nazista. Winston Churchill, apesar de discursar que o tratamento dos judeus húngaros era provavelmente "o maior e mais horrível crime jamais cometido na história do mundo", contudo disse a Chaim Weizmann que aceitar a oferta Brand era impossível, porque seria uma traição de seus aliados russos. Apesar de que o plano foi sem frutos, ilustra bem que ninguém alegadamente fazendo um processo de extermínio iria permitir a emigração de um milhão de judeus, e demonstra, também, a importância primeva dada pelos alemães ao esforço de guerra.



Postado por: ByLorenzo

Nenhum comentário: